sábado, 18 de outubro de 2008

minutos de frivolidade: IX


(foto: Thiago Aquino)


Ter uma alucinação
Não significa
Necessariamente
Ver uma realidade esdrúxula
Onde reinam os acordes harmoniosos do normal.

Vislumbrar normalidade
Diante das coisas estapafúrdias
Também é cisma de maluco.

Eis a forma de loucura
Que praticamos
Mais frequentemente.

Do Lexotan ao trés bien
Do Aldol ao curso de espanhol
Do Rivotril às intrigas de covil

Do Neozine ao Felini
Da Maracujina ao boteco da esquina
Do Sossega Leão ao café com pão

Da 51 ao cinco contra um.

Eis o segredo da arte
De sermos sempre os mesmos
E de não sermos coisa alguma.

Um comentário:

isadoravp disse...

hoje acordei assim, meio desajustada, e este minuto me caiu como... uma hora!
um beijo grande
da quase antiga fã
Isadora