terça-feira, 25 de novembro de 2008

outras aventuras: o bolero


(foto: Thiago Aquino)

Na pacata Palmeirópolis deu de aparecer um bandido daqueles que têm marca registrada: espreitava suas vítimas assoviando o Boléro de Ravel.

As moças da cidade andavam agitadas e apertavam o passo ao passarem pela rua das Jaboticabeiras – via de chão batido que não tinha iluminação. Algumas abriam carreira ao ouvirem qualquer coisa que lembrasse o tal assovio.

Depois de alguma comoção pública e de esforço não habitual das autoridades, foi preso o tal bandido do Bolero.

No distrito policial, o delegado queria saber o mesmo que todos os palmeiropolitanos:
– Porque você assovia o Boléro de Ravel antes de atacar suas vítimas? – indagou.
Ao que o gatuno disse de pronto:
– Bolero de quem?!

2 comentários:

Andre Luis do Nascimento disse...

Meu caro amigo, me perdoe por favor, se não lhe faço uma visita... hahahaha
Pois é meu caro, sou obrigado a dizer que estou ficando animado com essa prosa... rs meus parabéns!

André D'Abô disse...

andre,
sua visita por aqui animou minha tarde. obrigado.