terça-feira, 16 de dezembro de 2008

outras aventuras: das afinidades eletivas


(foto: thiago aquino)

Depois das chuvas ininterruptas do último novembro, formou-se uma poça imensa junto àquele muro alto e branco. Passados alguns meses, a poça não secou e tornou-se um pequeno lago.

O muro branco esverdeou-se de um triste verde musgo. A poça ganhou, por sua vez, a nata leitosa de uma cal gasta e empoeirada.

2 comentários:

Andre Luis do Nascimento disse...

Caralho meu amigo, tu é foda. Poesia em prosa. Muito bom.

André D'Abô disse...

valeu andre.