terça-feira, 30 de dezembro de 2008

outras aventuras: a leitora


(foto: thiago aquino)

No ônibus. Uma mulher lia um livro de Adélia Prado. Retinha o volume nas mãos como quem segura um doce a ser derretido através de uma leve pressão entre a língua e o céu da boca, ou como quem tem no colo um cesto de laranjas lima para descascar e chupar vendo a novela. Encostava a cabeça no vidro e, no canto da boca, prendia uma gargalhada e um gemido, que restavam em um sorriso tímido. Quando chegou sua parada, levantou levando estampada no rosto a aparência de quem acaba de acordar ou de mergulhar na água gelada de uma cachoeira no alto da serra.

2 comentários:

Charlotte disse...

Já alguém dizia que com um livro por perto ninguém pode sentir-se só...

...mais um pedaço de vida destilado em poesia num corpo de prosa.

Bom ano de 2009 e obrigado pelas partilhas. Virtuais mas sentidas.

André D'Abô disse...

charlotte,
um ótimo 2009 para você também. obrigado por seus comentários que tornam este espaço mais vivo, mais parecido com um livro.
grande abraço.