terça-feira, 27 de janeiro de 2009

outras aventuras: osório e o cabelo


(foto: thiago aquino)

Osório sofria daquilo que julgava ser um mal crônico: jamais conseguiu acertar no corte de cabelo. Deixava crescer e não se sentia contente. Se cortava bem curto, era o mesmo. Ao meio termo, penteava para a esquerda, para a direita, para frente e para trás e nada; a cabeleira sempre lhe parecia estranha, como se pertencesse a outra pessoa.

Imaginava, às vezes, que na essência seu verdadeiro penteado era um black power bom alto e bem redondo. Outras vezes pensava ser longo e parafinado. Nenhuma contemplação da verdade revelada se aproximava daqueles fios de um preto tímido – quase cinza – que lhe protegiam a cabeça do sol.

Osório tinha um pouco de vergonha de sua síndrome porque pensava que crises capilares eram um assunto feminino. A isso era somado o peso de carregar sobre si aquela pequena massa de pelos alienígenas.

Aos trinta e dois anos, Osório ficou careca e não pode mais reconhecer sua imagem refletida no espelho. Pobre Osório.

2 comentários:

thiagoaquino disse...

Quem não tem seu dia de Osório que tire a primeira pedra...

André D'Abô disse...

certamente não haverá pedras a atirar... hehe...