quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

outras aventuras: beija-flor



para Gonzaguinha

Belo
É acreditar
Que se fez sempre a grande coisa.
O plantio de um beija-flor;
Uma onda, um espinho de estrela.

Ver-se patético e gigante
E dançar ainda que ridículo e supérfluo.
Acreditar em sorrir
Apesar desse mundo xucro
Que nos acorda de manhã
A martelar as janelas
E ofender a quem amamos.
Acreditar em amar
– Sandice lúcida e responsável
Que cultiva e exercita o hábito
Obstinadamente -
Apesar desse mundo com cara de patrão,
Este mundo com gastrite e testa sempre franzida.
Gostar de brisa e tempestade,
De chuva e de sol.
Gostar e ter asco,
E sofrer, e sofrer, e festejar,
E festejar, e esquecer, e esquecer,
E lembrar:

O se há de cumprir a tempo pleno

Acreditar que se é alguém
Apesar do mundo,
Apesar de não ser.

4 comentários:

Pata Negra disse...

Vim dar uma volta ao brasil e saborear o mundo belo que o é apesar de o não ser.
Um abraço algures entre um destes teus versos

Luz disse...

Amei! Imensamente real!

Life disse...

...e assim vamos nos alimentando/de palavras/de vida/ de tudo/ e dos nadas...

Adorei! bons minutos por aqui...

Marianna.

André D'Abô disse...

caro pata:
sua aparição sempre renova os ares desses versos.

clara:
grato pela visita. um abração!

Marianna:
eis um bom alimento!
abraços.