sexta-feira, 12 de outubro de 2012

entre panelas


A língua servida,
marinada de véspera.
Posta caseira
em aromas da terra.

Invenção discreta
de um Exu tímido.
Falo da fala,
talo de planta. Folha.

Silêncio de tempestade,
voz que cala no nervo,
fervo de quietudes,
ausência do meu irmão.

Muda, broto mudo,
botão aberto,
sentença incerta,
quase canção.

Nenhum comentário: