quarta-feira, 28 de agosto de 2013

a primeira missa

Minha cama
dista
cerca
de oito quilômetros
do pé
de comigo-ninguém-pode
que adorna
um canteiro
na Cidade Nova
de frente para
uns palmos de calçada
que me afrontam

Ali
uma palavra
à mão armada
matou uma ideia:
roubo seguido de morte

Ali
e eu poria
exércitos de poeira
em marcha
pela conquista
das guimbas de cigarro
símbolo da nossa bandeira

Dizimaria multidões
de micróbios
escravizaria formigas
sepultaria remorsos
reinaria entre poças
de urina e rancor

Talvez seja aquele
meu torrão natal
e eu devesse
mandar rezar
a primeira missa
aos pés
daquele pé
de planta



Nenhum comentário: